Desafios

20.5.13
Berro menos com os putos desde que aderi ao berra-me baixo, é um facto. Até comecei a reparar que o pai também lhes berra ocasionalmente (não sei se ele berrava antes, ou se eu nunca tinha reparado), mas a verdade é que os berros não me preocupam muito. Ou seja, levantar a voz para ser ouvida no meio do chinfrim que fazem todos ao mesmo tempo parece-me natural, ainda que possam haver formas mais criativas (eu tinha um professor que começava a sussurrar, quando a turma perdia as estribeiras e aquilo funcionava). Muitas vezes começo a bater palmas, outras faço um shiu com tanta força (e com tantos perdigotos à mistura) que se ouve do outro lado da rua e às vezes, mais raramente, faço coisas parecidas com a dança da chuva. Eles calam-se, claro, e concordam em partilhar os brinquedos, brincar sem arrancar cabelos, ou deixar de atirar água para fora da banheira, mas dali a pouco está tudo igual outra vez. E isto é extremamente cansativo, já se sabe.
Mas dizia que não são os berros que me preocupam por aí além (será que é porque berro menos?), o que me preocupa é o constante ranger dos dentes, o revirar dos olhos, o praguejar baixinho, em suma, a falta de paciência. E a falta de paciência tem um remédio santo, que não se compra nas farmácias, ou se calhar compra-se, mas não tenho a receita. Ir a uma festa de amigos, beber dry martinis, dançar e cantar aos gritos, é um deles e posso garantir que resulta (ver o FCP ser tri-campeão também). 
Pais felizes, filhos felizes, certo Magda

14 comentários:

  1. Taooooo linda, Carla! Yep, E o FCP tri-campeão, caipirinhas, mexer o corpito, isso sim, tb ajuda, e muito a berrar baixo! :)

    ResponderEliminar
  2. Não tenhas dúvidas que a resposta está mesmo na última frase. Às vezes pergunto-me quando foi que os meus filhos se transformaram em anjinhos barrocos e depois percebo que eu é que ando com outra atitude.

    ResponderEliminar
  3. Vai ao psiquiatra que é isso que tu precisas vê se cresces e bebe menos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Ariana, vou já, já fazer isso tudo que sugeres.

      Eliminar
    2. Fazem falta mais pessoas assim destas que orientam o mundo.

      "Tu sentas-te ali, tu vais ao psiquiatra e tu Rita larga-te dos blogs e vai mas é trabalhar".

      Eliminar
  4. Só vou se me embebedares com outra coisa: dry martinis não são a minha cena. Mas se não houver mais nada, lá terá que ser, que não sou uma moça esquisita (a minha avózinha ensinou-me a comer e beber aquilo que me derem)

    ResponderEliminar
  5. Eu acho que é mais filhos felizes, pais cansados...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também é verdade, Maria de Fátima.

      Eliminar
  6. Sois todas passadas,coitados dos filhos que têm mães assim,ide trabalhar que o GASPAR agradece..........Já me esqueçia não gostas de trabalhar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu fico eealmente pasma com comentários deste calibre (ou falta dele) de pessoas que nem se identificam para criticarem. Onde está a frontalidade e argumentação (inteligente, se é que é possível)? Haja coragem, mas sobretudo, haja paciência para estas "mães perfeitas" que deitam o olho ás que não o são.....olho de urubu e de inveja. ;o)))

      Eliminar
  7. A estratégia do professor é muito eficaz: quando nos sussurram, temos tendência para fazer silêncio de modo a ouvir o que nos estão a dizer. Por outro lado, se nos gritam, temos tendência para falar mais alto, para que a nossa voz se ouça acima da que nos grita.
    Claro que com um bando de crianças aos berros não é assim tão simples, mas vale a pena tentar: assegurar contacto visual com eles e falar muito baixinho. Desde que eles percebam que estamos a falar com eles, terão tendência para baixar o tom, de modo a conseguirem ouvir o que lhes está a ser dito.
    Boa sorte!

    ResponderEliminar
  8. Olá linda! Vais sair na proxima newsletter do Desafio Fazer Acontecer com o Berra me Baixo :) queres o link?

    ResponderEliminar