E depois

3.12.12
olho para esta foto (a minha mãe tinha 26 anos. Sete anos depois teve o quarto filho e passados dois anos ficou viúva) e sinto tanta vergonha de mim! 

16 comentários:

  1. Queixamo-nos tanto agora por tudo e por nada! ...

    A tua mãe é uma forte! :) Parabéns a ela!

    ResponderEliminar
  2. Calita mas tu tens uma família linda!
    A minha avó dizia assim: Vergonha é roubar.
    Beijinho
    ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, é verdade. A minha avó também isso.

      Eliminar
  3. Se eu fosse uma pessoa mais autêntica e transparente no meu blogue, teria escrito um post parecido com este o ano passado, mais ou menos por esta altura do ano :

    http://joannagoddard.blogspot.fr/2012/02/motherhood-depression-and-weaning.html#more

    Talvez ainda a fazê-lo, queremos tanto proteger-nos, que depois esquecemo-nos que a nossa experiência pode ajudar os outros.
    Um grande beijinho Calita.

    ResponderEliminar
  4. PS : No final acaba com a conclusão do final da amamentação, mas também é valido para o final da gravidez e para o final de um periodo com filhos a 100%.
    A parte hormonal joga, mas não é tudo.
    Tanta coisa com as redes sociais e os estudos não sei do quê e depois isto, como se apenas depois do ano 2000 é que estas situações começam a surgir...
    Fica aqui prometido o post com a minha versão.

    ResponderEliminar
  5. Pois, isto é mesmo uma montanha russa, não há hipótese, e por mim tudo bem, só queria era que os picos de felicidade durassem tanto como os de tristeza.

    Fico, então, à espera desse post :)

    ResponderEliminar
  6. Que não te falte nada :

    http://apanhadanacurva.blogspot.fr/2012/12/toma-um-comprimido-toma-uma-caixa.html

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito bom, mademoiselle. Muito bom.
      beijinhos

      Eliminar
  7. Calita: é uma fotografia muito comovente e bonita. Beijinhos,

    Joana

    ResponderEliminar
  8. não sei se tens esta noção, mas a tua mãe é parecida contigo. tu também tens força, não tenho dúvidas disso. porra, tens três filhos! Quem cria três crianças só pode ser uma mulher de força. O que acontece é que às vezes parece que não. Acontece a todas, acho. A diferença é que antes, as nossas mães e avós, não desabavam como nós desabamos. Desabavam por dentro, em silêncio, fossem as circunstâncias mais ou menos dramáticas. Às vezes acho que sou só eu, que é a minha personalidade. Mas acho que é mais do que isso. A nossa geração não tem medo nem vergonha de se queixar, e eu não acho que isso seja mau.

    ResponderEliminar
  9. Sabes o que eu acho? Que na vã tentativa de sermos sempre uns poços de fortaleza, vamos calando as nossas vulnerabilidades, ignoramos que elas gritam, enterramo-las e desprezamo-las... mas como um dia alguém me disse: a força de uma pessoa reside na sua capacidade de reconhecer as suas fraquezas e assumi-las como tal!

    ResponderEliminar
  10. Que bela foto! O que vejo é uma mulher forte e genuína e três crianças lindas, não muito à vontade na foto de estúdio, de certeza que preferiam andar pela rua na brincadeira, com a roupa de todos os dias. Eu também tenho fotos deste género, há 20 ou 30 anos a fartura não era tanta e o photoshop era ficção científica.

    ResponderEliminar
  11. Olha, o que eu acho é que tu és igual ao Isaac...

    Beijos,
    Inês

    ResponderEliminar
  12. Até a Inês não resiste a um "olha que parecido que é este com aquele".
    Mas nesta foto alguém consegue olhar para o que seja sem ser para o Paulo?

    ResponderEliminar
  13. Então, Jaime, é claro que sim, está ali uma garota tão gira, do lado esquerdo!

    ResponderEliminar