Sair

2.2.11
Acho sempre que sair de casa nos abre os horizontes, nem que seja para ir à padaria. Ora, uma vez que sou dada a tédios fáceis, preciso, de vez em quando, de ir um bocadinho mais longe do que até ao outro lado da rua. Assim sendo atravessámos a ponte e fomos dar um passeio até à Arrábida. De lá vim consoladinha com umas ovas e um peixe espada na grelha que comemos em Setúbal; com o primeiro livro que li do Gonçalo M. Tavares; e com a ideia para um patchwork inspirada nos azulejos do quarto-de-banho do sítio onde ficámos.

2 comentários:

  1. Vieram então para a minha zona. Bons passeios.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. Sim, foram muito bons. É uma bela zona!

    ResponderEliminar