Já tínhamos saudades de um certo egocentrismo, certo?

4.4.16
Apercebi-me que este blog fez seis anos, há quase duas semanas, e publiquei na página do facebook o primeiro post, comentando que parecia que nada tinha mudado entretanto.
Será mesmo possível que nada tenha mudado, apesar de ter feito tantas coisas diferentes? Por exemplo: tive mais um filho, o terceiro. Apareci numa revista.  Fiz parte de um movimento. Mudei de casa cinco vezes. Festejei o aniversário em cinco cidades diferente: Zurique, Lisboa, Póvoa de Varzim (Láundos), Porto, Setúbal (Arrábida) e estou quase, quase a festejar em Díli. Fiz sete workshops (no primeiro da lista ainda não tinha este blog). Vendi mantas em patchwork feitas por mim (por acaso acho que só foi uma, as outras oferecia-as todas, não sei mesmo ter negócios). Conheci o Wladimir Kaminer e a Olga, a mulher dele, que me deu a entender que eu sabia como dançar, na Russendisko de Lisboa. Fui sozinha a Londres. Fui falar para um Júri, entre eles o Nilton, o humorista, sobre o mundo do trabalho e fiz umas figuras bastante tristes, mas o Júri também, na minha perspectiva. Este blog recebeu uma menção honrosa no prémio Mãe Blogger. Enviei um conto para um concurso literário. Tornei-me dadora de medula óssea. Trabalhei durante quatro meses na biblioteca de uma escola. Criei uma empresa. Apareci na TV. Fechei a empresa (não sei se já tinha dito que não sei ter negócios). Fui cronista do P3. Fiz reportagens bem giras como esta para o Lifecooler e esta para o Hotelândia e mais esta para o Alma de Viajante e também a da FUGAS (quando digo giras refiro-me à experiência de as fazer, não necessariamente ao resultado das mesmas). Fiz novas amigas. Fiz mais do que 60 bolos de aniversário. Passeei em oito países. Vim viver para outro continente. Separei-me dos meus gatos. Adoptei um cão. Tornei-me reikiana. E este blog teve mais de um milhão e uma centena de visitas.
Provavelmente é uma questão de foco. Ao longo destes seis anos, além de mãe e blogger, fui empregada por conta de outrem, empresária e freelancer, em metade desse tempo, mas por qualquer razão nunca o valorizei. Bem, esta coisa do auto-conhecimento não tem fim, pois não?

Adenda: apanhei chikungunya, que me fodeu as articulações do corpo todo.

4 comentários:

  1. Eu <3 calita 4ever. Em que consiste ser reikiana?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. <3 saudades tuas, gralha.
      uma reikiana é uma pessoa que passa reiki e reiki é...uma cena difícil de explicar :)

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Oh, querida Helena <3
      Pessoas como vocês a fazer declarações de amor destas é para deixar uma rapariga mesmo muito feliz.

      Eliminar