Há experiências que não se esquecem

15.4.15

Há muito tempo escrevi uma história sobre a "ti" Deolinda baseada em factos reais. A certa altura, para fazer o enquadramento psicológico da personagem, precisava de mostrar (achava eu, na minha completa e total ignorância das técnicas literárias) o quão afastada ela vivia dos dias de hoje. Escolhi, entre outras coisas, escrever sobre o que comia, ou melhor, sobre o que nunca tinha comido: iogurtes, cogumelos, molho béchamel, quiche, esparguete à bolonhesa, mangas e acerola.

Quando me pediram para escrever sobre espargos bravos, na semana das plantas silvestres do Lifecooler, a primeira coisa que pensei foi: será que a "ti" Deolinda comia espargos? Se eu comi espargos pela primeira vez já depois de ter sido mãe, é muito provável que ela também nunca tenha comido, apesar de ter passado a vida a trabalhar nos campos. Até porque, mesmo que ela alguma vez tenha apanhado espargos (e eu nunca vi espargos lá na terra, só nas prateleiras do supermercado e no prato) o mais certo seria fazê-lo para vender a uns tostões na cidade mais próxima.

Seja como for, não é sobre a velhota que me pedia para fazer roscas para os netos que quero falar mas sim sobre a minha experiência com os espargos. Lembro-me perfeitamente de onde os comi pela segunda vez. A primeira sei que foi com uns "revueltos" e fiquei fascinada, não só pelo sabor, como pela chiqueza do nome que davam aos ovos mexidos, mas não me lembro onde é que os comi.
A segunda vez foi em Zurique, num restaurante em Niederdorf. Pedi risotto de espargos e cogumelos e comi-o enquanto amamentava o Isaac. Quando penso nisso ainda fico com água na boca.
Também aconteceu de um carteirista em fuga cair em cima do Jaime, enquanto eu dava uma entrevista para um programa de televisão universitário, mas aquele risotto...

5 comentários:

  1. No Domingo passado, o meu pai mostou-me "olha, isto são espargos", ali no meio do campo. Também não me vou esquecer da experiência. Donde se conclui que os espargos são poderosíssimos activadores de memória, qual Memofante, qual carapuça.

    ResponderEliminar
  2. Adoro espargos. Comi a primeira vez aqui na Alemanha e começou a época deles por estes lados agorinha hummm. Bjs Sandra

    ResponderEliminar
  3. Adoro estas bolachas! Alguém me sabe dizer se há à venda em Lisboa? Obg

    ResponderEliminar
  4. ca gandas cólicas q deve ter dado ao seu filho... ;P

    ResponderEliminar