Surpresas

1.12.14
Rabisquei num papel que o amor pelos meus filhos é um pano cru, sem fatos de domingos, ou lençóis bordados. Devia estar bêbeda, porque não sei o que quer dizer.
Surpreendeu-me chegar a casa, quatro dias depois, e notar a falta que lhes fiz. O Isaac chorou agarrado a mim na estação de comboios. Sou a amora (feminino de amor) deles.
Surpreende-me sempre as pessoas gostarem de mim.

5 comentários:

  1. "Pano cru" do Sérgio Godinho:
    SG - pano-cru: http://youtu.be/V_ZiDDT8ba4

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :-D Fez-me lembrar desta canção da minha infância.

      Eliminar
  2. Eu tb gosto muito de ti, mesmo quando sucede apetecer-me arrear-te com uma palmadita de oratória à cause de surpresas dessas...

    Não precisas de agradecer :)

    ResponderEliminar
  3. És muito parva. Adoro-te, apesar das verdades horríveis que às vezes me atiras à cara como grandes (e merecidas) bofetadas.

    ResponderEliminar