Começar de novo (ou não)

14.3.14
Li o texto partilhado pela Gralha, numa fase em que estamos precisamente a tentar mudar de vida, e retive o seguinte:

1) Também quero estudar a história do trabalho;
2) Não faz muito sentido, de facto, pensarmos que temos de ser felizes a trabalhar;
3) Nunca se está livre da relação capital trabalho se precisarmos dela para sobreviver, mesmo que estejamos a trabalhar naquilo que mais gostamos (seja viajar, escrever, pintar, etc.);
4) "Um marceneiro tem muito mais liberdade criativa, apesar de fazer trabalho manual, do que um jornalista que trabalha em redacção, por exemplo". Até que enfim isso é uma evidência;
5) O grande problema por resolver da sociedade continua a ser a divisão de classes.

6 comentários:

  1. Eu retive que o conversê de que o trabalho "independente" é a chave da liberdade e da felicidade do trabalhador dá cá um jeitaço ao capital...

    ResponderEliminar
  2. Li o artigo e adorei, já tenho reflectido sobre este assunto tantas e tantas vezes, sozinha, nos meus pensamentos, porque ninguém parece muito interessado nestes temas. Muito obrigada por partilhares! Obrigada mesmo!

    ResponderEliminar
  3. Já vi de tudo. Vi pessoas muito felizes a fazer trabalhos que eu odiaria, como gerente de armazém. Vi pessoas infelizes a fazer trabalhos que outros adorariam. Vi pessoas muito instruídas a realizar-se numa padaria e numa carpintaria. Nesse texto, que não consegui agora ler todo, gostei sobretudo da ideia da glamourização do largar tudo para ir ser feliz - que é a versão Cosmopolitan do imaginário do trabalho - e dos heróis realistas.
    Acho que não se pode definir o que é o bom ou mau trabalho porque o bom e o mau variam muito de pessoa para pessoa. Há pessoas que trabalham porque precisam apenas e outras que trabalham porque gostam, e tudo isso é normal. Se me saísse o Euromilhões, eu não trabalharia mais um dia no meu emprego, mas iria trabalhar de certeza - há muito trabalho para fazer para melhorar o mundo que me faria muito feliz.
    Ser carpinteiro é melhor que ser jornalista, disso tenho a certeza, mas só consegui saber isso por ser jornalista. Quanto à divisão de classes e a sua tradução nas relações de trabalho, está a piorar muito rapidamente.
    Por fim, gosto muito da ideia de trabalho enquanto processo de criação de coisas que são úteis e boas para toda a gente, por isso admiro os padeiros, os agricultores, os pescadores, as costureiras. Tudo o que aconteceu sobre esse processo inicial, como a revolução industrial, a sociedade de consumo, o capitalismo, o divórcio entre a humanidade e a natureza, a insatisfação permanente com o que temos, já sabemos. O que me intriga é sobretudo isso: sabemos tudo e não fazemos nada para o superar. Sabemos da sociedade de classes, sabemos que trabalhamos para ter coisas que não precisamos e deixamo-nos andar, criando filhos para fazerem o mesmo.
    Isso é que me deixa doente, doente a sério.

    ResponderEliminar
  4. Alguém aqui já foi marceneiro? Ou carpinteiro? Huumm...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não, mas conheço bem a arte. Tenho pelo menos dois marceneiros na família.

      Eliminar
  5. Hi, i think that i saw you visited my web site thus i came to “return the
    favor”.I'm attempting to find things to enhance my site!I suppose its ok
    to use some of your ideas!!\

    Feel free to visit my web blog ... Prada Scarf

    ResponderEliminar