Dia do pai

19.3.13
O meu pai teve uma amante que se chamava Celeste. Segundo a minha mãe nunca chegou a acontecer nada entre os dois, mas ele "esteve muito apaixonado por ela e ela era linda como o sol".
Não era uma puta, uma destruidora de lares, etc., era uma rapariga muito nova, com dois filhos, e linda como o sol. "Devia ter juízo e pensar nos filhos dela, mas ele é que era o burro velho [32 anos] e por isso a responsabilidade era dele".
Por mais anos que viva vou ter sempre dificuldade em perceber como é que numa família tão "emotiva" (grita-se, chora-se por tudo e por nada, parte-se loiça e por aí fora) se consegue ser tão imparcial. A amante do meu pai era linda como o sol e eu tinha as pernas tortas e era "fraquinha" (fraquinha, para quem não sabe, significa ser feia, não tem nada a ver com fraqueza de ossos, ou assim) -  e agora vamos todos fazer de conta que eu não acabei de me comparar à amante do meu pai, ok?
Para ser sincera nem sei o que estou para aqui a dizer, porque não tinha intenções de escrever sobre o dia do pai uma vez que não simpatizo particularmente com o dia do que quer que seja, a não ser que inclua comida e álcool...Ah, já sei como cheguei aqui: vou passar a Páscoa com a minha família, ou seja, com os meus ascendentes sobreviventes, a minha mãe e a minha avó, e os meus filhos, claro, que também não são propriamente lindos como o sol, mas brilham tanto como ele quando sorriem.

P.S A esta hora há um Pai, assim mesmo com P grande, a sobrevoar a Europa em direcção à Asia, que gosta do dia do pai. Para ti, Jaime, um beijo de todos nós. Já agora, o Isaac tem febre.

11 comentários:

  1. Respostas
    1. Fiquei em igual estado !!! Aí vida... tao bela e tao f.....!! Boa Páscoa para tds ; Catita e seus leitores !! Este bloog é mesmo Fixe !!!

      Cacilda!

      Eliminar
  2. Espero que este tempo de ausência do grande Pai aí de casa passe num tirinho e que a criançada fique toda boa para aproveitarem os fins-de-tarde no jardim. Um dia combinamos encontrar-nos na Gulbenkian, boa?

    ResponderEliminar
  3. Belas palavras, óptimas comparações, quem fala assim é porque tem capacidade para resolver muita coisa n
    esta vida... Parabéns!!

    ResponderEliminar
  4. Eu chorei uma dúzia de vezes. No aeroporto da Portela outro pai despediu-se do filho de 13 anos. No dia do pai. Ambos choravam. O menino chorou também ao dizer-me "obrigado" por eu "estar a ajudar o pai". Eu chorei logo. Ainda tendo improvisado desajustadas palavras de circunstância. Ele que tem um belo pai que vai para Timor trabalhar para como diz o menino "devolver a felicidade à familia". Em Abril, felizmente já estarão todos junto em Dili. E eu senti a palavra pai a ecoar em todo o lado.
    Mas reduzo o discurso porque o blogue é da mãe. Chorei, nas últimas horas, várias vezes nos aviões. A última das quais a ver este filme: http://www.imdb.com/title/tt1535438/
    Quando o escolhi na vã esperança de adormecer.

    Tenho saudades. Sou piegas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Hope Springs? És mesmo piegas :)
      Também tenho saudades. Temos saudades.

      Eliminar
    2. Também vi o Hitchcock e o 007 Skyfall :P

      Eliminar
  5. Não há mesmo ficção que iguale a realidade. Esta é sempre muito melhor; há só que focá-la. E tu deste-nos um belo enfoque.

    verao80

    ResponderEliminar
  6. Parabéns ao Pai a tempo inteiro aí da casa, mesmo quando anda nos aviões. Tem uns filhos lindos como o sol.
    Parabéns ao teu Pai, por ter tido uma filha linda como o sol.
    Isso da imparcialidade deve ser hereditário!
    Belo post!

    ResponderEliminar