A vida que eu quero

28.11.12
Fotografada pelo Paulo Ricca

Um dia destes li (mentira, vi num episódio do CSI, mas como estava a ler as legendas não é totalmente falso) que há as pessoas que aceitam a vida que têm e as que procuram a vida que querem. É claro que, tratando-se de um episódio do CSI, não se aprofundou a questão, até porque aquela gente tem mais o que fazer, mas se tivessem tido tempo, acabariam por chegar à conclusão que a única premissa verdadeira é a primeira, porque as pessoas que procuram a vida que querem, também têm de aceitar a vida que têm. Procurar não é sinónimo de encontrar.
Seja como for, esse momento filosófico do CSI deixou-me a pensar na vida que eu quero. E na vida que eu quero tenho aquela barriga outra vez, mas a pesar um bocadinho mais do que os 50 kg que pesava na altura; tenho um motorista (Jaime estás proibido de vir aqui dizer que isso já tenho) e vários projectos interessantes em mãos, como escrever o argumento para o cinema deste livro; vou a todas as festas de lançamento de livros da Quetzal em que o Irmão Lúcia esteja a pôr discos; vou ver vários espectáculos de teatro e dança com as minhas amigas e a seguir vamos jantar a altas horas; Vou buscar os meninos à escola com o Jaime (se ele não puder vou com o motorista) e vamos brincar para algum sítio, como uma biblioteca, no Inverno, ou um jardim, no Verão, antes de vir para casa. O motorista também é babysitter e às vezes fica com eles para eu e o Jaime irmos sair (sim, o motorista é espectacular e está um bocado apaixonado por mim, mas depois casa-se com um gajo maravilhoso). Não sei como, temos sempre o jantar pronto e a casa arrumada (fazêmo-lo nós quase sem dar por isso); tenho uma casa com quintal, ou uma horta comunitária para cultivar legumes, ou melhor, tenho a persistência necessária para cultivar a terra, porque casa com quintal já tenho, no Porto, e já lá cultivei bastantes legumes (batatas, tomates, feijão verde, couve e cebola), por isso sei que é fácil desistir sob vários pretextos.
Na vida que eu quero acabaremos por fazer a tal road trip a Bordéus e depois muitas outras.
Ou seja, agora que penso nisso, se eu começar a escrever o argumento, a única coisa que fica a faltar para a vida que eu quero é o motorista. Ah, e a barriga, pois...Mas, quer dizer, alguém que acha mais natural começar a escrever um argumento de um livro do Amin Maalouf, do que contratar um motorista não vai perder tempo com a barriga.

P.S Não sei se já repararam que o Panados tem página no facebook. Não sei bem para que serve, mas acabarei por dar-lhe alguma utilidade. Vão lá gostar de mim, que estou carente.

15 comentários:

  1. Eu tenho saudades da minha barriga já grávida de 3 ou 4 meses do primeiro filho. A barriga de antes disso, já nem me lembro dela, nem a consigo conceber. A minha barriga agora abana (blargh) quando lhe toco com o dedo. Tipo gelatina.

    Mas eu aceito a vida que tenho, acho eu.

    ResponderEliminar
  2. Das duas, uma: ou aprendes com a Carla R. a encontrar as coisas maravilhosas escondidas debaixo de cada pedra do caminho (alerta psicologia de bolso!), ou ganhas o Euromilhões. Nesse caso, ofereço-me para motorista.

    ResponderEliminar
  3. a sério: quando chegou a parte do motorista estar um bocadinho apaixonado por ti, juro que quase desatei às gargalhadas (sendo que estou a dar frequência com aquele ar de mazona-não-copiem-qu'eu-anulo-o-teste). 5 estrelas, calita. também posso aproveitar este comentário para te dizer que estou carente de ti? obrigadinhas. beijo. agora vou-me.

    ResponderEliminar
  4. Olha, eu estou bastante apaixonada por ti, e tenho carta de condução há 16 anos, embora já me tenha despistado duas vezes, a última das quais há coisa de um mês, acho que sou de confiança.
    Adorei este post e acho a tua vida de sonho maravilhosa, tens um NIB para onde podemos contribuir?

    ResponderEliminar
  5. Como não quero que te falte nada, vou ao fácebukas gostar de ti :)

    ResponderEliminar
  6. Caraças pá ! A tua vida de sonho não anda muito longe da minha, o problema é que eu ainda acho que a vou ter, daí a insanidade do momento em que vivo, juro que sinto que estou quase, quase a alcança-la, falta-me descobrir apenas uma ou duas cenas básicas e eu chego lá. Podes ficar com o motorista, à vontade, quando é que aprendes a conduzir ?
    (Gralha, depois falamos)

    ResponderEliminar
  7. Joana, se eu não tivesse esta foto também não me lembraria da minha barriga assim, acho eu. E aquela barriga é já depois da Beatriz. Ela teria uns 4 anos.

    Gralha, mas quanto quererias tu para ser minha motorista, para eu precisar de ganhar o Euromilhões? Não bastaria vender dois argumentos por ano? :)

    AL, um beijinho querida, também tenho saudades tuas!

    Dora, também não é preciso fazeres-me corar, mulher!

    Carla R. eu sei conduzir, ou melhor já soube (tenho carta e tudo), mas odeio. Além disso, para o fazer preciso de um carro e isso é coisa que não me apetece adquirir, mesmo numa vida imaginada (o carro seria do motorista).

    ResponderEliminar
  8. Estou, estamos, tramados. Os teus melhores post no blogue são quando estás realmente impossível de aturar. Agradar aos leitores vs agradar à familia que partilha contigo o dia a doa. Eis a questão.
    E agora o Isaac quer escrever:
    bb b bbbbbv yddbbccbbxbxbbcbbbbbbxbc wrwrttttttffttgvbvmbmvmvnvmnnn

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, Jaime, como seu eu alguma vez tentasse agradar a alguém! Só a ti, mesmo, e isso única e exclusivamente na intimidade, como sabes, ainda que tenha segundas intenções, por isso nem sei se conta :P

      Eliminar
  9. Essa barriga deixa-me sem palavras! Acho que nunca tive uma barriga assim nem quando tinha 15 anos! Quimbeja!

    ResponderEliminar
  10. Ah, os espectáculos de teatro e de dança, e as festas da Quetzal, e os jantares a altas horas, e as banheiras do dia seguinte... Gosto do argumento desse filme, em que fui figurante, vamos repetir?
    Inês

    ResponderEliminar
  11. Que barriga!
    Começar a escrever o argumento é um bom princípio!

    ResponderEliminar
  12. Eu acho que sim, escreve o argumento!! O livro é uma maravilha e o argumento escrito por ti também o será! Depois vai vende-lo lá fora, que isso parece que está a dar...
    http://cinema.sapo.pt/magazine/noticia/de-capitao-falcao-para-um-filme-de-ficcao-cientifica-com-gorilas-no-espaco

    ResponderEliminar