Para mim, aos nove anos*

23.6.12
Miúda, eu sei que não percebes o que sentes. Que não sabes como dizer às outras pessoas que não és daí, que parece que nasceste no sítio errado. Eu sei que não tens como dizer à tua professora que não queres segurar na mão da Guilhermina, para ela lhe dar reguadas e, acredita, a culpa não é tua, é dessa atrasada mental, com a idade da tua mãe, que devia saber que essas crianças já levam porrada suficiente fora da escola.
Não sei se te devia dizer isto, mas o irmão da Guilhermina vai-lhe espetar uma faca nas costas daqui a uns anos e ela vai sobreviver. Tu sabes que ela é uma sobrevivente e tem uma dignidade que a tua professora não tem. 
Também sei que gostavas de perceber muitas outras coisas, mas vais ter tempo para isso. A sério, não queiras compreender tudo, conhecer tudo, e, sobretudo, não desprezes o que tens. Eu sei que é pouco, comparativamente com o que toda a gente que conheces tem, mas as comparações, vais ver, são coisas ridículas de se fazer. 
E, não, não vais ser freira. Vais questionar a tua religião, um dia, vais abandoná-la, mas não vais conseguir deixar de ter fé, apesar de não saberes bem em quê. 
Acima de tudo, e isto é mesmo muito importante, abraça o teu pai. Abraça muitas, muitas vezes o teu pai. Diz-lhe que gostas muito dele e que é o melhor pai do mundo. Daqui a três anos e pouco ele vai a Fátima com algumas pessoas da família. Despede-te dele. 

Da tua sempre, 
Eu adulta

* copiadíssimo daqui

7 comentários:

  1. Já trocámos beijos na net, mesmo na boca, mas agora o que me apetece mesmo é dar um grande abraço à Calita de 9 anos (e à Guilhermina).
    E furar os pneus dessa professora.
    Os CTTs deviam fazer um serviço mais completo, muitas vidas seriam melhores.

    PS : O meu comentário, sou eu a armar-me em forte, mas apetece-me chorar depois de ler esta carta, se queres saber a verdade.

    ResponderEliminar
  2. Esta carta e a "original" são comoventes e autênticas, mas quando as li lembrei-me não da minha (também) pouco recomendável professora da 2.ª e 3.ª classes, mas de quando tinha uns 11 ou 12 anos e andava a pé na Rua de Cedofeita, e num passe mágico percebi que a minha consciência-vontade era autónoma e poderosa - ela estava muito para além de todos os buracos negros que acumulara até ali. É preciso sacudir com força as pedras, porque quanto maior o buraco maior a pedra: e é realmente uma pena, além de buracos, carregar pedras.

    ResponderEliminar
  3. tão bonito. não consigo dizer mais...

    ResponderEliminar
  4. Raios, mas tu vais sempre saber dizer tudo assim com tiros de metralhadora e fazer-nos chorar, pelas razões pelas quais se deve efectivamente chorar.

    ResponderEliminar
  5. Poça. Estás a ficar cada vez melhor... Bom mesmo.
    Andreia M.

    ResponderEliminar
  6. prontoSS. Já chorei. Não se faz, pá!

    Carla

    ResponderEliminar